terça-feira, 16 de setembro de 2014

Fim

 
Um dia desses aí
Sombrio, quase pedra
Fita que deu nó
 
Um olhar pra trás
Um passo pra frente
Porque a vida não pode ser descartada
Ela é colhida
No tempo certo
Por Aquele que a plantou.
 
E a noite segue....
 
Vanusa
Setembro/2014
 
 


segunda-feira, 15 de setembro de 2014


Quando a morte espreita
A vida grita:
Você é insubstituível!
 
Vanusa
setembro/2014


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Amanda


 
Apascentar-vos com suas conversas incertas.

Com suas baladas extrovertidas e espertas.
Encravando, seu coração bate.
Sua tristeza abate.
Com você sinto-me em um oceano.
Com seu clamor insano.
Bastardes em parte difícil.
Como bordar o seu oficio.
Com você sinto-me em um clássico.
Com carinho inestimável.
Assetear meu coração.
De um jeito complexo e fácil.

DANIEL HENRIQUES ALENCAR PORPINO

terça-feira, 16 de julho de 2013

Amélia, Emília e Adélia


 
 
 
 
Nunca quis a vida de Amélia 
Ela não parece de verdade.

Tampouco a de Emília

E seu dom mais popular 
Prefiro ser Adélia
E sair plantando poesia em todo lugar.
 
 
Vanusa
inspirado nos poemas de Adélia Prado

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Perfumes para toda vida


 

 
Mulheres são seres originais
Trazem no ventre um emaranhado de conexões
E na mente capacidade infinda de guardar detalhes
Utilizados para atiçar a memória
Quando o dia a dia  priva a alma do frescor. 

Espalhando  marcos,  lembranças
Numa existência marcada por perfumes
Que se estendem por toda vida. 

É assim quando sentimos o cheiro da lavanda
E somos levados a imagem do bebe que fomos,
Ou de tantos que embalamos
Entre braços e abraços um belo som. 

E o que dizer dos afazeres de todo  dia
E seus perfumes  fortes feitos
De amor e agonia.
 
E tem aquele adocicado
Que atrai o ser amado. 

E o cheiro do café fresquinho
Sempre espreitando as boas amizades.

Ah! O perfume dos temperos
Que inundam a casa
Com serviço, carinho e respeito. 

  também os perfumes amadeirados
Que trazem consigo
A beleza dos cabelos prateados
E dos anos bem vividos. 

E o cheiro do alabastro
Regando a adoração sincera
De quem com o coração quebrantado
Se curva, se rende, se entrega. 

O bom perfume de Cristo
Esse tem aroma peculiar
É exalado ao longo do caminho estreito
Até o dia perfeito chegar.

 
Vanusa
Fevereiro/13

 

 

 
 
 
.


Um olhar para trás
Contos e encontros
Vento quase furacão
Prosa, folhetim
Mais um dia enfim.
 
Um olhar para frente
Beleza e alegria
Vento soprado com suavidade
Poesia, canção
Um dia, outro dia, outro dia ...
 
 
Vanusa
junho/2013
 
Poema por ocasião do aniversário da amiga Glória

sábado, 13 de abril de 2013

Poemas de Elisabeth Lukas para nosso deleite





Quão livre sou ?
Perguntou  o homem
ao seu criador.
 
Não posso rechaçar
meu corpo.
Não posso renegar
 meus ancestrais.
Não posso desaparcer
do meu entorno.
Não posso escapar
do meu tempo.
 
Tu não és livre
de tuas condições,
respondeu Ele.
Mas és livre
para escolher uma
atitude diante
de tuas condições.
 
E isso é o máximo
que jamais concedi.
 
 
Da auto- realiazação à responsabilidade - 1989
 
O que esperamos
 da vida?
A resposta é silêncio.
 
O que a vida
espera de nós?
 
A resposta
aguarda na nossa língua
e na nossa mão.